Duas pessoas são presas comercializando cartões falsos na estação da CPTM


Duas pessoas foram detidas na quarta-feira, 7, na estação Barueri da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), pela venda ilegal de passagens. Eles foram flagrados por policiais civis e integrantes da SPTrans (São Paulo Transporte) que atuam no combate a fraudes do Bilhete Único.
A polícia apreendeu com os dois golpistas 11 cartões de Bilhete Único com créditos que, segundo a polícia, somavam mais de R$ 2 mil.
Este tipo de fraude é muito comum na estação Barueri e também em outras da CPTM. Sem nenhum tipo de constrangimento, jovens liberam a catraca para passageiros que pagam R$ 3 pela passagem clandestina. Eles realizam a cobrança nas escadarias e depois entram na estação.
A atuação de vendedores de passagens falsas é frequente e alguns deles já são conhecidos dos usuários. Em 12 de maio, a reportagem da 'Blitz Estadão' flagrou na entrada da Estação Barueri da CPTM, vendedores ambulantes anunciando: "Passagem na promoção por R$ 3, mais barato que na CPTM (Vendido a R$ 3,80)."

Veja também: 
Seguranças da CPTM agridem gêmeos na Estação Barra Funda.
Briga entre dois passageiros deixou 14 pessoas feridas em estação do Metrô de SP.

A CPTM também informou que está colaborando com as autoridades policiais, responsáveis pelas investigações desse tipo de fraude. Inclusive, a SPTrans que é a gestora do Bilhete Único também está envolvida no combate às fraudes do BU.
Em abril, a Polícia Civil descobriu um novo modelo de fraude. Os golpistas clonam cartões verdadeiros e os carregam com créditos falsos que são aceitos pelas catracas. Assim, em geral pedem R$ 3 ao passageiro, liberam a passagem e continuam com o bilhete clonado.
Em nota, enviada em maio, a CPTM esclareceu que a equipe de Segurança realiza fiscalizações no limite das dependências da CPTM e nas linhas de bloqueios (catracas) das estações, visando evitar irregularidades que possam ser cometidas, inclusive no uso de bilhetes. Na área externa das estações, a responsabilidade é da Secretaria de Segurança Pública.
Tecnologia do Blogger.