Governo de SP busca ação para amenizar efeito da greve no metrô

Secretário dos Transportes Metropolitanos garantiu que um trabalho de contingência será organizado para avaliar a abrangência da paralisação

Diante da possibilidade de greve dos metroviários nesta quinta-feira, 18, anunciada pelo sindicato da categoria, o governo do Estado de São Paulo já prepara ações para amenizar os transtornos aos trabalhadores que utilizam o transporte público.


Em entrevista à Rádio Eldorado, o secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo garantiu que um trabalho de contingência será organizado a partir das 4h da manhã para avaliar a abrangência da paralisação. “Vamos operar a maior parte das estações possíveis”, prometeu Clodoaldo Pelissioni.
Os metroviários marcaram para esta quinta-feira uma greve de 24 horas. Segundo o Sindicato dos Metroviários de São Paulo, o protesto é contra a privatização das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro, marcada para ocorrer na sexta-feira, 19.
O Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP) deferiu, na tarde de segunda-feira, 15, liminar para garantir o funcionamento do sistema metroviário, considerando a iminente greve marcada pelo Sindicato dos Metroviários.

A liminar determina a manutenção do efetivo de 80% do serviço nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e 60% nos demais horários, sob pena de aplicação de multa ao Sindicato no valor de R$ 100 mil.

O secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo defende que a greve é política. “Esperamos que a greve não ocorra. Não temos litígio quanto aos salários e aos benefícios. Os sindicalistas são contra a concessão da operação das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro. Eles não querem perder sua força porque não poderão mais fazer greve quando quiser. Essa greve é política”, ressaltou Pelissioni.
Sobre a afirmação de que a CCR é o único consórcio capaz de vencer o leilão, o secretário reforça que a informação está equivocada.
“Fizemos um edital e trabalho para muitos operadores de metrô e trem. A gente não pode deixar que uma empresa que nunca operou um sistema de trem venha a operar, porque corremos um risco sério. Ao assumir duas concessões, a empresa vai transportar 1 milhão de passageiros por dia. Acreditamos que vai ter concorrência”, explicou.
Em setembro de 2017, equipe do governo de São Paulo fez um roadshow e contato com pelo menos quatro grupos europeus capacitados para participar da licitação, que ocorre na modalidade internacional justamente para ampliar a concorrência.
“O edital de licitação passou por ampla revisão do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, de 26 de setembro a 19 de dezembro do ano passado. Nestes 85 dias, o órgão solicitou apenas a alteração em um único item do edital, liberando-o, em seguida, para publicação. É importante ressaltar que todos os questionamentos foram julgados improcedentes. Além disso, todos os integrantes dos consórcios que formam as SPEs (Sociedades para Propósitos Específicos) que atuam na área metroviária são dotados de competência para participar do pregão”, reforçou a nota.
Caso a greve seja mantida, o secretário salienta que a multa de R$ 100 mil será aplicada ao sindicato. “Esperamos ainda que a maior parte dos funcionários venha trabalhar. Quem não vier perderá o dia e também o descanso remunerado. Poderá ainda ser prejudicado em eventual promoção”, afirmou o secretário.

Fonte: Exame

        DEIXE SEU COMENTÁRIO        
         CURTA NOSSA PÁGINA         

Tecnologia do Blogger.