PSDB inaugurou 75% das estações de metrô de SP em anos eleitorais

Geraldo Alckmin entregou 11 estações nos últimos sete anos e, para este ano, prevê a entrega de 18. Quando assumiu o cargo em 2011, Alckmin prometia entregar 90 estações até o fim de 2017, mas entregou apenas 11.



No poder desde 1995, as gestões do PSDB entregaram até hoje 32 estações de metrô. Uma média de 1,3 por ano. E dessas, 75% foram inauguradas em anos em que o partido disputava a reeleição para o estado. Se entregar o que promete para esse ano, os tucanos vão ter inaugurado 83% das estações em anos eleitorais. Aliás, nos primeiros sete anos desta última gestão, o governador Geraldo Alckmin entregou 11 estações. Mas, em um único ano, agora em 2018, vai inaugurar 18.

Algumas estações eram previstas para serem entregues antes da Copa de 2014, como as do Monotrilho da linha 17-Ouro, que vai passar pelo aeroporto de Congonhas. O argumento era de que seria uma obra mais rápida e mais barata, mas agora é prevista para dezembro de 2019 e o orçamento mais do que dobrou. A linha nem começou a operar e já se sabe que vai ser deficitária.


De acordo com dados passados pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo para a imprensa no começo da atual gestão Alckmin, a previsão era de que, entre 2011 e 2017 fossem entregues 90 estações. Mas, até dezembro do ano passado, o tucano inaugurou só 11 estações.

Carlos Aranha, coordenador do Grupo de Trabalho de Mobilidade Urbana da Rede Nossa São Paulo, explica que, em 2018, os ônibus da cidade ainda oferecem um atendimento 2,5 vezes maior do que a malha do metrô. O resultado afeta os paulistanos de diversas formas: desde o tempo gasto na locomoção diária, até a qualidade do ar. Para Carlos, a gestão dos últimos 24 anos poderia ter adotado políticas mais eficientes para a ampliação do Metrô.

"Se isso vem acontecendo somente em ano eleitoral, talvez o político esteja pensando mais na política para si próprio do que na política real. Não sei se essa eficiência prometida através de parcerias público-privadas ou de licitação de obras tem se mostrado real. Na prática o que a gente tem visto são décadas de atrasos e de uma dívida com mobilidade urbana na cidade que não vemos nem mesmo perspectivas de ser atacada de uma maneira séria", afirma Carlos.

O Secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, que assumiu o cargo em janeiro de 2015, explica que há vários motivos para os atrasos, mas que o governo Alckmin nunca atrasou obras para que fossem inauguradas em anos eleitorais:


"Isso é uma coincidência. Nós não trabalhamos para inaugurar estações em ano par ou ímpar. Trabalhamos para inaugurar estações o quanto antes. Nossa gestão aqui teve inúmeros problemas que relatamos: a Lava-jato, crise econômica e necessidade de rescindir contratos. Com isso tivemos alguns problemas para fazer com que as obras e o sistema tivessem avanço", defende Pelissioni.

Ao longo dos últimos anos, o governador Geraldo Alckmin têm atribuído os atrasos à crise econômica, mesmo para aquelas estações que deveriam ter sido entregues antes do período de recessão. Além disso, Alckmin afirma que as principais empreiteiras tiveram problemas por estarem envolvidas na Operação Lava-jato. Mas, o Ministério Público de São Paulo aponta que, antes mesmo do início da Lava-jato, já havia um cartel envolvendo as linhas do Metrô e da CPTM.

Os documentos apresentados pelas empreiteiras, divulgados em dezembro do ano passado, indicam que esquema de cartel operou de 2004 até 2015 em obras que custaram cerca de R$ 10 bilhões aos cofres públicos durante os governos dos tucanos José Serra, Alberto Goldman, Claudio Lembo e Geraldo Alckmin.

Fonte: CBN

        DEIXE SEU COMENTÁRIO        
         CURTA NOSSA PÁGINA         

Tecnologia do Blogger.