Segundo estudos cerca de duas pessoas caem por dia nos vãos das estações da CPTM

Dados de 2018 mostram, no entanto, que número de casos vem diminuindo
Foto: Aílton Oliveira/Mobilidade SP

No ano passado, 782 pessoas caíram no vão entre o trem e a plataforma nas estações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Os dados, obtidos via Lei de Acesso à Informação por VEJA SÃO PAULO, mostram que a linha campeã em quedas no ano passado foi a 11-Coral, responsável por 35% dos casos; em seguida, a linha 9-Esmeralda, com 21%; e, em terceiro, a linha 12-Safira, com 18,7%.

O número total de casos, no entanto, é 24% menor se comparado a 2017, quando foram registradas 1 033 ocorrências. Procurada, a companhia informou que a redução se deu pela “instalação de borrachões de proteção nas plataformas e à intensificação das orientações de segurança aos passageiros”.


Os borrachões aparecem na beirada, cobrindo o espaço  entre o trem e a plataforma. Para o especialista em mobilidade urbana e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Paulo Bacaltchuck, o equipamento ajuda na diminuição dos casos, mas o problema é maior.

“A infraestrutura da CPTM é tecnologicamente inferior se comparada com o Metrô, por exemplo, em termos de sinalização e capacidade de passageiros”, afirma. “O compartilhamento das linhas de transporte público com trens de carga agrava essa situação, deixando os vãos maiores.”

O problema deve ser amenizado com a construção do Ferroanel Norte, linha férrea com traçado paralelo ao Rodoanel Norte. Com 53 quilômetros de extensão, a obra com custo de 3,5 bilhões de reais deve passar por municípios como Arujá, Guarulhos, Itaquaquecetuba e São Paulo. A implementação de uma via exclusiva para trens de carga reduzirá a circulação desse tipo de locomotiva na CPTM. Em janeiro, o governador João Doria anunciou que as obras do Ferroanel começam este ano.


A linha 11-Coral liderou o número de quedas nos últimos três anos. Em 2016, foram registrados 530 casos, 53% do total; em 2017, 503, 49% do total. No ano passado, a Coral ainda apareceu em primeiro, contudo, foram registrados 273 casos, diminuição justificada pela instalação dos borrachões.

Confira abaixo as ocorrências de queda no espaço entre o trem e a plataforma por linha da CPTM:

Nomes das linhas e números de ocorrências registradas

7-Rubi: 99
8-Diamante: 32
9-Esmeralda: 165
10-Turquesa: 50
11-Coral: 273
12-Safira: 146
13-Jade: 17
Total 782

(*) Com informações da Veja São Paulo


   DEIXE SEU COMENTÁRIO   

            VEJA TAMBÉM:           

Tecnologia do Blogger.