Em depoimento ao MP ex-diretores da CPTM não sabem dizer porque equipamentos de 176 milhões de euros que reduziria intervalo entre trens ainda não foi instalado

Equipamento que reduz intervalo entre os trens foi comprado há 10 anos e MP apura. Secretaria diz que até 2022 equipamento será instalado.

Foto: Reprodução/TV Globo

Ex-diretores da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) disseram em depoimento ao Ministério Público que não sabem porque os equipamentos que diminuem o intervalo entre os trens ainda não foram instalados na Linha-10-turquesa. O equipamento foi comprado há 10 anos por € 176 milhões e ainda está no depósito da companhia.

Para diminuir os intervalos entre os trens, a CPTM investiu na compra de um equipamento chamado “CBTC”, sigla em inglês que quer dizer “controle de trens baseado em comunicação”


Em 2017, o SP2 mostrou parte desses equipamentos armazenados a céu aberto. Na época, a CPTM informou que a implementação foi suspensa por falta de dinheiro.

O Ministério Público apura por qual razão o equipamento ainda não foram instalados. Dois ex-executivos da CPTM foram ouvidos nesta semana e um deles contou que “em 2008, a CPTM decidiu trocar o sistema de sinalização da Linha-10 que era da década de 60 e apresentava altos custos de manutenção, ineficiência operacional e constantes falhas”. Além disso, afirmou que com a troca do sistema, “o intervalo entre um trem e outro na plataforma cairá de 7 para 3 minutos ou menos. E a capacidade de transporte de pessoas mais do que dobrará”.

Outro ex-diretor disse que “quando deixou a empresa, em janeiro de 2011, o cronograma estava em dia” e que “não sabe os motivos pelos quais não foi instalado o sistema CBTC na Linha-10 até agora”.


“Nós já temos notícia que esse equipamento é fabricado para durar entre 30 e 40 anos. Por tanto eles ainda não são obsoletos. O maior problema é o prejuízo ao erário, a CPTM, que deixa de arrecadar. E a população que poderia esperar apenas três minutos na plataforma espera sete minutos. Essa situação é duplamente prejudicial ao estado”, disse o promotor Sílvio Marques.

O secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, garante que o sistema comprado dez anos atrás será implementado até 2022.

“O equipamento do CBTC, como reconhecemos sua existência para as linhas as quais eles foram adquiridos e estão em processo de implementação. como bem disse, outros investimentos são necessários, e esses investimentos estão sendo avaliados e serão realizados”, disse Alexandre Baldy.

(*) Com informações do Portal G1


   DEIXE SEU COMENTÁRIO   

            VEJA TAMBÉM:           

Tecnologia do Blogger.