Estado de São Paulo possui 1.591 obras paradas ou atrasadas, com gastos R$13,2 bilhões

 Segundo o órgão, já foram gastos R$ 13,2 bilhões com os projetos.

Foto: Reprodução

São Paulo tem 1.591 obras paradas ou com descumprimento em seu cronograma, aponta levantamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE) ao qual a GloboNews teve acesso.

Segundo dados atualizados em junho do Painel de Obras elaborado pelo TCE, são 747 obras paralisadas e outras 844 atrasadas.



Do total, 1.323 são municipais, ou seja, tocadas por prefeituras. Outras 268 são de responsabilidade do governo estadual.

Segundo o TCE, foram gastos com as 1.591 obras R$ 13,2 bilhões. O total de investimento contratado com elas é de R$ 49,5 bilhões.

Obra na Pompeia

Entre as obras incompletas está o Complexo Hospitalar Cotoxó, na Pompeia, Zona Oeste da capital. Trata-se de uma obra com valor de contrato de R$ 63,4 milhões, dos quais já foram pagos R4 24,3 milhões.

O prazo inicialmente previsto para a sua conclusão era 3 de junho de 2014, mas a obra segue em andamento. De acordo com o governo do estado, "sua execução foi impactada pela necessidade de readequação ambiental do projeto em respeito ao entorno dela, de alta densidade demográfica".


A nova previsão para a sua entrega é o segundo semestre de 2020 --seis anos depois do prazo previsto inicialmente.

O que diz o governo

Em nota, o governo de São Paulo diz que “nenhuma das obras citadas foi iniciada ou paralisada na atual gestão”. “Desta forma, os problemas apontados são anteriores à atual gestão, que herdou em janeiro de 2019 ao menos 175 obras paralisadas em todo o estado, deixando um passivo de R$ 10 bilhões aos cofres públicos. O governo segue empreendendo todos os esforços para a retomada dos trabalhos”.

O governo afirma que neste ano “foram entregues 5,6 mil unidades habitacionais, a estação Campo Belo da Linha 5-Lilás do Metrô, um hospital em Serrana, 266,4 km de melhorias em estradas, um piscinão e duas Estações de Tratamento de Esgoto, quatro batalhões (Baeps) e um companhia (Caep) de elite da PM, 30 creches, nove Delegacias da Mulher reformadas, 24 UBSs, 11 CAPS, um Bom Prato em São Bernardo do Campo e 9 Centros de Convivência e 1 Centro-Dia para Idosos”.

Sobre o Rodoanel Norte, o governo diz que “foi assinado contrato com o IPT para um estudo sobre as obras a executar e verificar a atual situação dos trechos dos seis lotes”. “A decisão foi tomada para assegurar o bom uso dos recursos públicos. É um passo para que o estado possa retomar este empreendimento, dentro da forma da lei, com segurança para assim concluir o Rodoanel Mário Covas.”

(*) Com informações do Portal G1


            VEJA TAMBÉM:           

Tecnologia do Blogger.